Buscando a notícia para você desde 2007 - Região dos Lagos - Ano 2017 -

quinta-feira, 25 de maio de 2017

Colunista Paiva Netto - Reflexão de Boa Vontade

Na Seara da Boa Vontade, cultivamos a parte divina que existe em todos os indivíduos, esperando ser despertada para tornar-se eficaz no roteiro de sua própria evolução. Por isso, pregamos o Ecumenismo dos Sentimentos Fraternos, que a tudo transcende, daqueles que anseiam unir-se na construção de um futuro feliz.

Um dia, a Ciência expenderá a compreensão daquilo que já percebem os místicos universalistas: “Somos um”. Sim, somos um!

Sejamos um para manter a sobrevivência deste maltratado orbe. Sejamos um para que a água não fique irremediavelmente poluída. Sejamos um para que, juntos, possamos, pelos meios científicos, descobrir a cura de enfermidades tidas como erradicadas, mas que estão ressurgindo, e para as novas que se manifestem, “descabelando” muita gente e fazendo populações inteiras padecer. Sejamos um, porquanto temos de, mesmo que quando medianamente inteligentes, por mais humildes e simples que sejamos, entender que só dispomos de uma única morada: a Terra.

Sejamos um, também, para que os animais do oceano — como se encontra descrito no Segundo Flagelo do Apocalipse de Jesus, 16:3 — não se tornem extintos: “Derramou o segundo Anjo a sua taça no mar, e este se tornou em sangue como de um cadáver, e morreu todo ser vivente que havia no mar”. (...)

Com esforços conjuntos mantenhamos a esperança de que ainda possamos salvar nosso planeta.

Em vigor desde 1º de janeiro de 2014, a redução de 94% do enxofre na gasolina comercializada no Brasil, lançando menos gases poluentes no ar, é uma vitória. Que assim seja e que não fiquemos apenas nesta providência!

O Evangelho de Jesus, segundo Mateus, 26:41, claramente recomenda: “Orai e vigiai”, ou seja, confiar em Deus e com empenho trabalhar para que as coisas realmente melhorem.


José de Paiva Netto

Jornalista, radialista e escritor.
paivanetto@lbv.org.brwww.boavontade.com


segunda-feira, 8 de maio de 2017

Colunista Paiva Netto - Jesus e as Mães

O Dia das Mães vem chegando. A elas, dedico a prece Jesus e as Mães, que fiz em homenagem às que habitam o Céu e a Terra.

Ó Jesus!

Tu, que és o Refúgio Seguro dos aflitos,

Escuta a voz das Mães

Que ao Teu Carinho elevam

O clamor de suas súplicas.



Aplaca, Senhor, as suas dores,

Pois cada uma delas,

Divino Amigo,

Reconhece em Teu Coração

O seu bom destino;

Na Tua Santa Vontade, a força

Que não lhes permite sucumbir;

E na Tua Sabedoria contemplam,

As Mães da Terra e do Céu,

A educação que anseiam para os filhos.



Em Ti, Jesus, elas, quando sofrem,

Têm a certeza do alento,

Que, em geral, o mundo não lhes pode oferecer,

Porque ainda pouco tem para lhes dar.



Ouve, Filho Celeste de Maria Santíssima,

O apelo dos corações maternos,

Porque Tu, Jesus, és a Esperança que nunca morre.

Melhor que isso: a Convicção que não as deixa esmorecer.



E que assim, em Ti,

Eternamente seja,

Ó Divino Provedor!

Amém!

Amor faz rima perfeita com Mãe

Dizem que Mãe não tem rima. Será?! Então secou-se-lhes a musa, ou saiu em férias... Mas não semelhantemente à famosa experiência de Guerra Junqueiro (1850-1923).

Amor faz rima perfeita com Mãe. Mãe é eterna também.

A musa em férias

Por falar no velho Guerra, contam que o episódio assim se deu: o respeitado poeta português foi ao médico. Não sabia o que lhe cansava os ossos. O clínico, depois de examiná-lo com paciência, prescreveu ao cliente: “– Professor, o senhor não tem nada físico que um bom descanso não corrija. Viaje. Não faça nada, nem escreva, e tudo terminará bem. Pode confiar”. O vate prometeu que o faria. Contudo, o que acabou ocorrendo foi o seguinte: quando voltou do “descanso”, trazia um dos seus mais belos feitos para um novo livro: A musa em férias.



José de Paiva Netto

Jornalista, radialista e escritor.
paivanetto@lbv.org.br — www.boavontade.com

quarta-feira, 3 de maio de 2017

Colunista Paiva Netto - Exaltar a face cordial da Economia

A sabedoria das mulheres na administração dos bens planetários foi a temática central de meu artigo publicado na BOA VONTADE Mulher, revista especial que a Legião da Boa Vontade (LBV) lançou, nos idiomas português, inglês, francês e espanhol, durante a 61a sessão da Comissão sobre a Situação das Mulheres (CSW, na sigla em inglês), realizada em março deste ano na sede das Nações Unidas. A seguir, transcrevo um trecho do referido texto:

Um caminho econômico em que todos saiam ganhando não é pensamento nefelibata. Sempre um bom termo pode surgir quando os indivíduos nele lealmente se empenham. Reflitamos sobre este ilustrativo aforismo do padre português Manuel Bernardes (1644-1710), autor de Pão partido em pequeninos: “Com bom regulamento pode até o pouco bastar para muitos; sem ele, nem a poucos alcança o muito. Todo excesso, nos particulares, causa, no comum, penúria. De dois que estão no mesmo leito, se um puxa muito a coberta para si, é forçoso que o outro fique descoberto”.

De maneira alguma estou propondo que as migalhas que caem das mesas fartas sejam a base da existência dos que vivem na miséria. Não falo de sobras; porém, da consciência honesta que não pode eternamente admitir que o seu bem-estar permaneça estabelecido sobre a fome dos deserdados. Isso é Evangelho puro de Jesus; é a essência da mensagem dos Livros Sagrados e da Regra de Ouro* das mais diversas culturas; é a voz de tantos notáveis, religiosos ou ateus, que não podem conceber que, no terceiro milênio, ainda haja populações submetidas à pobreza num planeta construído pela Bondade de Deus.

Há algo errado com a economia vigente: ao lado de sua face racional, tem de se dispor a cordial, isto é, a inteligência do coração. Em oportunidade não muito distante — esperamos que assim seja —, os corifeus do capitalismo, que sempre se destacaram pelo espírito “pragmático”, irão perceber que a mundialização derrubará todas as espécies de barreiras que lhes serviam de anteparo.

____________________

* Regra de Ouro — Também conhecida como “A ética da reciprocidade” ou “regra áurea”. Trata-se da máxima ou princípio moral de determinada crença ou filosofia, comum a todos as demais: “Fazei aos outros tudo quanto quereis que vos façam”.



José de Paiva Netto

jornalista, radialista e escritor.
paivanetto@lbv.org.br – www.boavontade.com